Em homenagem aos geógrafos

Notícia
Notícias
terça-feira, 22 de maio de 2018

Em 29 de maio comemora-se o Dia do Geógrafo. A data faz uma referência ao dia da criação do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 1936. Na atualidade, as áreas de meio ambiente e de geoprocessamento são as que mais têm exigido a atuação deste profissional.

Para pensar sobre as questões que envolvem a geografia e homenagear a data, a Editora Unesp oferece 20% de desconto, até 4 de junho, em todos os livros de Geografia de seu catálogo. Confira aqui a seleção completa e alguns destaques abaixo: 

Glossário de Geografia Humana e Econômica
Organizador: Eliseu Savério Sposito | Páginas: 492 | De R$ 84 por R$ 67,20

É possível afirmar que, no mundo acadêmico brasileiro, no que concerne à área da Geografia, há uma carência de obras de referência que contenham o conhecimento geográfico de maneira resumida que sirvam de base para o apontamento de estudos mais aprofundados. Por essa razão, apresentamos este glossário que tem, como objetivo, mostrar um conjunto de palavras-chave das subáreas da Geografia Econômica e Geografia Urbana para que pesquisadores e estudantes tenham suas motivações na elaboração de questões e projetos e desvendem, com suas metodologias, temas de maneira mais verticalizada. 

Camponeses e a arte da agricultura
Autor: Jan Douwe van der Ploeg | Páginas: 196 | De R$ 44 por R$ 35,20

Na obra, Jan Douwe van der Ploeg debruça-se sobre o conceito de campesinato, discutindo experiências da agricultura camponesa em países de diversas partes do mundo. Teodor Shanin e Jan Douwe van der Ploeg têm um tema em comum, outro estudioso do campesinato: Aleksandr Vasilievich Chayanov. Para os interessados em entender a agricultura camponesa, o pensamento deste autor russo - um agrônomo social, como se definia - é um estudo seminal.  

Regimes alimentares e questões agrárias
Autor: Philip McMichael | Páginas: 256 | De R$ 48 por R$ 38,40 

A ideia de Philip McMichael de analisar o desenvolvimento do capitalismo na agricultura por meio dos conceitos de regimes alimentares e questões agrárias coloca a comida no centro da questão agrária sem negar a importância da luta pela terra. Essa interpretação contribui para compreender melhor como o modo de produção capitalista se estruturou para utilizar a comida como forma de controle político da população em geral. 

Assessoria de Imprensa da Fundação Editora da Unesp