Obras para conhecer povos e culturas indígenas

Notícia
Notícias
quarta-feira, 18 de abril de 2018

Estimativas apontam que a população indígena brasileira poderia ser de até 10 milhões de habitantes quando os portugueses chegaram no país. A Fundação Nacional do Índio (Funai) calcula que cerca de 1.300 línguas eram faladas pelas muitas sociedades que povoavam o Brasil. Atualmente, porém, esse panorama é bem diferente. Muitos povos foram completamente dizimados. 

Para refletir sobre a questão, por ocasião do Dia do Índio, celebrado em 19 de abril, a Editora Unesp resgata títulos que compõem um quadro da realidade indígena brasileira, abordando a temática sob diferentes pontos de vista. Os livros de Antropologia em geral estão com 20% de desconto até 25 de abril. Confira aqui a seleção completa e alguns títulos abaixo:    

A luta indígena no coração do Brasil
Autor: Seth Garfield | 416 páginas | De R$ 72 por R$ 57,60

Seth Garfield coloca os xavante no foco dos embates políticos e disputas ideológicas que atravessaram o período entre o Estado Novo a Constituição de 1988. O livro enfoca a luta desses índios que clamam pelo direito de possuir a terra e de permanecer xavante. 

Políticas culturais e povos indígenas
Organizadores: Manuela Carneiro da Cunha e Pedro de Niemeyer Cesarino | Páginas: 518 | De R$ 69 por R$ 55,20

O presente livro reúne dezenove ensaios que procuram distinguir e debater as políticas culturais feitas para os índios, as feitas pelos índios e aquelas que de alguma maneira os envolvem. São observadas não apenas tais políticas, mas também seus pontos de cruzamento e seus efeitos conjugados. 

A única vida possível
Organizadora: Livia Raponi | Páginas: 256 | De R$ 54 por R$ 43,20

Ermanno Stradelli foi um conde do norte da Itália, que aos 27 anos deixou uma vida tranquila para se aventurar no norte do Brasil. Os 45 anos dedicados aos estudos dos povos da região constituem um importante registro antropológico e etnográfico, retratados na obra.  

O caminhar sob a luz
Autora: Maria Inês Ladeira | Páginas: 200 | De R$ 46 por R$ 36,80

O objetivo deste livro é discorrer sobre a ocupação Guarani Mbya no litoral do Brasil e adjacências, com base na importância social e religiosa que este complexo territorial representa para o Grupo. A primeira parte se constitui da Introdução ao trabalho e de três capítulos sobre aspectos gerais. Contém informações sobre o grupo Mbya, tais como classificação, localização, situação das aldeias atuais e território tradicional, a partir das fontes históricas e de dados sobre as migrações recentes.   

Filhos da Cobra de Pedra
Autor: Aloisio Cabalzar | Páginas: 200 | De R$ 46 por R$ 36,80

Os Tuyuka fazem parte de um extenso sistema social situado no noroeste da Amazônia. Falantes de uma das línguas Tukano Orientais, convivem aí com seus parentes e aliados, com outros povos de origem Aruak e Maku e, mais recentemente, com brasileiros e colombianos – porque estão habitando nessa fronteira. Este livro trata das relações dos Tuyuka entre si e com os outros. De suas origens na Cobra Canoa, as malocas nas quais foram se transformando, seus nomes e cerimônias, os rios que percorreram e nos quais continuam navegando – essa etnografia percorreu alguns desses caminhos e seus sentidos.  

Os antigos habitantes do Brasil 
Autor: Pedro Paulo A. Funari | Páginas: 56 | De R$ 40 por R$ 32

O descobrimento do Brasil e a vida dos indígenas aqui encontrados por Cabral são o destaque deste livro, escrito em linguagem acessível e amplamente ilustrado. A importância do trabalho dos arqueólogos, as pinturas rupestres e a cerâmica produzida pelos primeiros povos que habitavam o atual Brasil merecem destaque. O dia a dia dos índios é descrito com precisão científica em parágrafos curtos e informativos, com destaque para as atividades de caça, pesca, dança e canto. 

Pemongon Patá
Autor: Paulo Santilli | Páginas: 226 | De R$ 46 por R$ 36,80

Compreender a complexidade cultural dos povos e culturas indígenas que habitam a Amazônia é um desafio. Esta obra, boa parte baseada em pesquisa de campo, enfoca o conflito fundiário envolvendo os Macuxi, em Roraima, no período que vai da década de 1970 à de 1990. Permite, assim, uma discussão aprofundada sobre a ação das organizações indígenas para defender seus interesses e para formular projetos étnicos. 

Assessoria de Imprensa da Fundação Editora da Unesp