Livro

Ler e ser virtuoso no século XV

Michelle Souza E Silva
Imprimir Download Pdf

A autora investiga a cultura livresca dos príncipes de Avis (que reinaram em Portugal entre 1385 e 1580) e procura examinar as condições materiais e políticas da produção dos manuscritos principalmente durante o século XV, correspondente ao fim do Medievo, quando, apesar do prestígio ainda grande da memória viva, percebe-se um crescente apreço pelo livro, pela sua capacidade de diálogo com a oralidade e por seu já então perceptível potencial de ordenação e perpetuidade.
Naquele período, escrever e ler eram atos tidos como principalmente morais e éticos, não apenas em Portugal, mas em toda a Europa. Segundo a autora, a escrita é pensada como um instrumento de articulação entre o passado, o que esse passado deveria ter sido e o que ele deverá ser no futuro, ou seja, como uma organização dos saberes com um direcionamento para o futuro, visando ao mesmo tempo cada indivíduo e o todo social.
Os discursos são também eivados de compromissos de preservação dos costumes e de finalidades edificantes e prescritivas, pois, para os letrados quatrocentistas, escrever e ler não eram atos isentos de consequências, antes pelo contrário, eram considerados como atos que desencadeavam outros, sendo natural, assim, que a chamada “literatura cortesã” fosse simultaneamente filosófica, política e religiosa, com um forte componente educativo.

  • Assunto: Filosofia
  • Ano: 2012
  • Acabamento: Brochuras sem orelhas
  • Páginas: 132
  • Edição: 1
  • ISBN: 9788539302529
  • Peso: 0g
  • Formato: 14X21

Autores

Veja Também