Dia da Consciência Negra busca valorizar os descendentes africanos na sociedade brasileira

Notícia
Notícias
sexta-feira, 19 de novembro de 2021

Em 20 de novembro, celebra-se no Brasil o Dia da Consciência Negra. A data foi escolhida como forma de homenagear o líder quilombola Zumbi dos Palmares, morto nesse dia, e fomentar a luta antirracista, bem como discutir o empoderamento negro e convidar à reflexão sobre temas ligados às desigualdades persistentes entre brancos e negros no Brasil. 

Esta desigualdade se acentuou, sobretudo, por conta da pandemia de covid-19, que aflige o mundo desde março de 2020. A pesquisa Educação não Presencial na Perspectiva dos Estudantes e suas Famílias, que acaba de ser publicada, constata que estudantes negros e pobres foram os que mais sofreram com as restrições impostas pelo vírus, demorando mais a acessar atividades escolares remotas e não conseguindo ampliar o acesso a computadores com internet. 

As dificuldades se traduzem no emprego e na renda também. De acordo com dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) compilados em um boletim especial do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), sete em cada dez brasileiros que perderam o emprego desde o início da pandemia são negros. 

Em homenagem à data, a Editora Unesp selecionou livros de seu catálogo que contribuem para o entendimento sobre o racismo e a luta diária em busca de sua superação. Os títulos estão com 30% de desconto até 10 de dezembro.

Confira abaixo: 

A paz das senzalas: Famílias escravas e tráfico atlântico c.1790- c.1850
Autores: Manolo Florentino e José Roberto Góes | 211 páginas | De R$ 46 por R$ 32,20

Este esforço de investigação é um capítulo particularmente interessante dos estudos históricos recentes sobre a escravidão, porque contém modulações importantes não apenas no estilo de conceber as relações familiares escravas, mas também de interrogar o passado e reescrever a história. Foi a incorporação de novos tipos de fonte que permitiu conhecer melhor o que, até então, era tido por incompatível com o cativeiro.

A abolição – 9ª edição
Autora: Emília Viotti da Costa | Páginas: 144 | De R$ 49 por R$ 34,30

Por que o regime escravocrata foi repudiado no Brasil com tanta veemência em 1888, depois de ter sido aceito sem objeções durante séculos? Por que o projeto que decretou seu fim foi encaminhado com tanta urgência? Estas são algumas das questões que Emília Viotti da Costa, uma das maiores historiadoras brasileiras, pretende responder nesta obra, publicada originalmente em 1987. Em linguagem acessível inclusive para o público leigo, a autora apresenta o complexo cenário político, econômico, social e ideológico que levou à abolição no país, enfatizando que, embora tenha sido uma conquista, a libertação dos escravos foi apenas um primeiro passo em direção à emancipação dos negros no Brasil.

Abolicionistas brasileiros e ingleses
Autor: Antonio Penalves Rocha | 448 páginas | De R$ 84 por R$ 58,80

Personagem dos mais importantes na história do Brasil, Joaquim Nabuco é visto neste trabalho de maneira original. A ênfase recai sobre como ele e a British and Foreign Anti-Slavery Society promoveram-se mutuamente. O autor realiza, nesse sentido, um revelador balanço da ação abolicionista de Joaquim Nabuco e de seu trabalho com sociedade antiescravista inglesa para a edificação de sua própria imagem de líder do movimento abolicionista brasileiro.  

Arthur Bispo do Rosário: A poética do delírio
Autora: Marta Dantas | 224 páginas | De R$ 78 por R$ 54,60 

Este livro de Marta Dantas sobre a vida e a obra de Arthur Bispo do Rosário fará o leitor pensar, sobretudo aquele que estiver habituado às tradicionais monografias sobre artistas cultos que têm lugar indiscutível na história da arte. Respeitando a particularidade da poética bruta a ser estudada, a autora analisa os objetos, as miniaturas, os escritos, as vestimentas, os bordados e o principal trabalho do artista, o Manto da apresentação, que é a "síntese da mitopoética do artista, de uma vida transformada em ilusão"; e articula Ciências Humanas, Estética e História da Arte, numa perspectiva refinada que transcende o convencional.

Atlântico Sul XXI: África Austral e América do Sul na virada do milênio
Organizador: Jonuel Gonçalves | 272 páginas | De R$ 58 por R$ 40,60

O livro mostra como há combates bem-sucedidos dos dois lados do Atlântico contra a pobreza, os quais combinaram ações de curto e médio prazo num quadro de acordos de livre-comércio entre países ou agrupamentos latino-americanos e africanos. O objetivo é aumentar as trocas comerciais e favorecer articulações de valores de maneira que a melhora dos índices de desenvolvimento humano enseje a fixação de critérios institucionais comuns em ambos os lados do Atlântico Sul.

Crimes em comum: Escravidão e liberdade sob a pena do Estado imperial brasileiro (1830-1888)
Alexandre Ferreira | Páginas: 264 | De R$ 58,00 por R$ 40,60

Nesta pesquisa realizada por Ricardo Alexandre Ferreira são investigadas as histórias do crime e do direito, focando, mais especificamente, no período da escravidão no Brasil. Aqui, através de uma vasta pesquisa documental, o autor analisa como o escravismo aparece referenciado no código penal do Império e as diferenças de punição entre homens livres e cativos. 

Da senzala à colônia – 5ª edição
Autora: Emília Viotti da Costa | Páginas: 560 | De R$ 94 por R$ 65,80

Neste livro fundamental, a autora demonstra que a abolição dos escravos no Brasil representou apenas uma etapa na liquidação da estrutura colonial, mas golpeou duramente a velha classe senhorial e coroou um processo de transformações que se estendeu por toda a primeira metade do século XIX. Tal processo prenunciava a transição da sociedade senhorial para a empresarial, do trabalho escravo para o assalariado, da monarquia para a República.

Diploma de brancura
Autor: Jerry Dávila | 400 páginas | De R$ 80 por R$ 56

Relações raciais e educação. Juntos, os temas vibram e tornam-se pontos referenciais para entender os vínculos entre as politicas públicas e a desigualdade social. Diploma de brancura traz um olhar histórico ao papel do pensamento racial na reforma e na expansão do ensino brasileiro. O autor examina a maneira pela qual leituras científicas sobre a sociedade definiam negros e carentes como deficientes e como essa concepção passou a influenciar as práticas educacionais. Enfocando a primeira metade do século XX, esta obra nos mostra as profundas raízes dos desafios sociais ligados às questões raciais.

Donas mineiras do período colonial
Autora: Maria Beatriz Nizza da Silva | 197 páginas | De R$ 58 por R$ 40,60

Até agora, os estudos de demografia histórica têm sido os mais equilibrados, apesar dos limites impostos pela documentação utilizada, pouco sensível aos matizes étnico-culturais ao englobar, sob a designação genêrica de pardas, grupos distintos de cafuzas, mamelucas, bastardas e mulatas, e também pouco atenta ao título de donas atribuído a algumas mulheres nas listas nominativas de habitantes, em documentos notariais ou nos assentos de matrimônio. Apesar dos dados demográficos em desequilíbrio, a diferença social e jurídica entre donas e plebeias era tão visível em Minas Gerais quanto nas demais capitanias, e ela nos ajuda a compreender certas práticas sociais como, por exemplo, a relevância da reclusão conventual feminina. Esta obra analisa esse viés inexplorado e preenche tal lacuna historiográfica.

Em costas negras: Uma história do tráfico de escravos entre a África e o Rio de Janeiro (séculos XVIII e XIX)
Autor: Manolo Florentino | Páginas: 312 | De R$ 69 por R$ 48,30

Resultado de uma pesquisa sobre o tráfico atlântico de escravos, este livro retoma a perspectiva econômica e social para entender os complexos processos históricos brasileiros e atlânticos. Utilizando-se de vasta fonte documental – como listagens dos navios negreiros, testamentos e registros eclesiásticos –, Manolo Florentino propõe uma instigante análise do tráfico de africanos para o Rio de Janeiro dos séculos XVIII e XIX, oferecendo novos elementos para compreender a migração compulsória que, por mais de três séculos, representou uma das bases da formação histórica brasileira.

Etíope resgatado, empenhado, sustentado, corrigido, instruído e libertado
Autor: Manuel Ribeiro Rocha | Páginas: 223 | De R$ 46 por R$ 32,20

Neste livro, publicado em 1758, o padre Manuel Ribeiro Rocha, lusitano radicado em Salvador, procura indicar a “maneira cristã de tratar os escravos”, desde sua compra até sua libertação. Tentava, com a obra, encontrar um caminho conciliatório entre prática ignominiosa da escravidão, sustentáculo da economia colonial, e a pacificação da consciência daqueles que comercializavam e mantinham os cativos.

Festa de negro em devoção de branco
Autor: José Ramos Tinhorão | 160 páginas | De R$ 42 por R$ 29,40

Festa de negro em devoção de branco: do carnaval na procissão ao teatro no círio demonstra, alicerçado em uma minuciosa pesquisa histórica, como a cultura africana, levada a Portugal pelos negros escravos, influenciou e foi influenciada no contato com a cultura católica lusitana. José Ramos Tinhorão nos mostra como esse encontro de diferentes, ainda que pautado em interesses políticos e religiosos, resultou na expressão de uma nova identidade cultural – uma festa de iguais.

Gente negra na Paraíba oitocentista 
Autora: Solange Pereira Rocha | Páginas: 360 | De R$ 74 por R$ 51,80

Este livro, que recebeu o Prèmio ANPUH-Tese, trata de famílias negras de pessoas escravas e livres na província da Paraiba e traz à tona as lutas pela construção de autonomia social e econômica num universo escravista. Enfoca ainda a questão fundiária, mostrando como o fenômeno da apropriação da terra levou a uma conjuntura marcada por enormes propriedades agrárias. Nesse universo, a escravidão, principalmente no Nordeste, onde as mudanças políticas foram mais lentas, silenciou uma massa de trabalhadores agrícolas, criando a ilusão da ausência do preconceito entre as classes sociais, principalmente em relação aos negros.

Homens livres na ordem escravocrata
Autora: Maria Sylvia de Carvalho Franco | 253 páginas | De R$ 59 por R$ 41,30

Este livro clássico investiga a gênese da sociedade e do Estado brasileiro a partir da análise do ciclo do café, florescente no século XIX entre as regiões do Rio de Janeiro e de São Paulo. Texto obrigatório que revolucionou a base conceitual dos estudos sobre sociedades subdesenvolvidas.

Luanda, cidade e literatura
Autora: Tania Macêdo | 240 páginas | De R$ 58 por R$ 40,60

Desde sua tese de doutorado, Da fronteira do asfalto aos caminhos da liberdade, a questão da predominância da capital angolana na literatura desse país africano tem estado no centro das preocupações do trabalho de Tania Macêdo e tem sido objeto de vários textos que buscaram dar conta do "mundo rico de sugestões" que é a Luanda da escrita. E a esse mundo a autora retorna neste livro em que apresenta, organizado sob a forma de um texto único, o resultado de reflexões levadas a efeito desde os anos 1990, com uma nova redação e uma nova perspectiva.

Memórias de Sparkenbroke: Fora do tempo
Autor: Clóvis Moura | 376 páginas | De R$ 80 por R$ 56

Intelectual marxista conhecido e consagrado por sua vasta obra e importante contribuição aos estudos do negro brasileiro, situando-se nas regiões de fronteira entre história, sociologia e política, Clóvis Moura construiu sua trajetória ao dar sentido político à rebelião escrava e à luta dos negros contra a escravidão e o racismo que perdura e estrutura a sociedade até os dias de hoje. Sempre ligado às polêmicas de seu tempo, acompanhou e apoiou a luta dos comunistas no Brasil, foi perseguido e preso. No entanto pouco se conhece sobre esse escritor polígrafo, cujos trabalhos abarcou diferentes gêneros textuais. Ao lado do pesquisador disciplinado, do intelectual livre e do homem político, convivia o poeta, o desenhista, o ficcionista, o teatrólogo, o boêmio, o escritor, o jornalista e, acima de tudo, o grande contador de histórias. Nos “anos de chumbo”, entre 1972 e 1973, sob o heterônimo “Sparkenbroke”, Moura publicou na coluna diária “Fora do Tempo”, no jornal A Folha de São Carlos, inúmeras crônicas, que versavam sobre os mais diversos temas, das quais este livro traz ao leitor uma expressiva amostra.

O ensino de ofícios artesanais e manufatureiros no Brasil escravocrata
Autor: Luiz Antônio Cunha | 190 páginas | De R$ 62 por R$ 43,40

Esta obra demonstra como a escravidão determinou o desprezo pelos "ofícios mecânicos" no Brasil na época do Brasil Colônia e Império, quando, após a abolição da escravatura, ninguém queria exercer atividades consideradas "coisas de escravos". Assim, a aprendizagem de ofícios acabou sendo imposta a quem não tinha meios de resistir, reforçando esse desvalor. Apresenta uma análise das instituições dedicadas ao ensino de ofícios: liceus de artes e ofícios, arsenais militares, asilos, propiciando ao leitor conhecer as propostas dos intelectuais do Império a respeito da aprendizagem profissional e seus esperados efeitos moralizantes.

O X de Malcolm e a questão racial norte-americana
Autor: Vladimir Miguel Rodrigues | 202 páginas | De R$ 40, por R$ 28

Esta obra aborda duas formas de representação da história de Malcolm Little (1925–1965) ou Al Hajj Malik Al-Shabazz, conhecido como Malcolm X. O autor compara duas biografias do ativista – o livro Autobiografia de Malcolm X, de 1965, do escritor e jornalista Alex Haley, e Malcolm X, filme de 1992 dirigido por Spike Lee. Segundo o autor, ambas as biografias, criadas em um intervalo de quase 30 anos, construíram um Malcolm X como personagem heroico, o que resultaria da omissão de passagens da vida do ativista. Um dos protagonistas na luta contra a discriminação e o racismo em relação aos afrodescendentes nos Estados Unidos, Malcom X, convertido ao islamismo, percorreu uma trajetória política entre o radicalismo e a moderação. Em sua busca pela igualdade de direitos na sociedade norte-americana, enfrentou forte reação de conservadores defensores da supremacia branca e sofreu resistência, ainda, de grupos de líderes afrodescendentes rivais. Assim como Martin Luther King Jr., Malcolm X morreu assassinado, e deixou um legado, cujo último resultado foi a eleição do primeiro presidente negro dos Estados Unidos.

Os carnavais de rua e dos clubes na cidade de São Paulo
Autora: Zélia Lopes da Silva| 268 páginas | De R$ 62 por R$ 43,40

Este livro apresenta uma análise do carnaval de rua e de clubes das décadas de 1920 e 1930, procurando trazer para o leitor as motivações que mobilizaram homens e mulheres em torno dos festejos e, também, prescrutar os significados por eles atribuídos às diversas brincadeiras em que estiveram envolvidos, redefinindo esses festejos, quando eles não mais correspondiam aos seus interesses.

Os Ferrões: 1º de junho a 15 de outubro de 1875
Organizador: José Leonardo do Nascimento | 312 páginas | De R$ 68 por R$ 47,60

Os Ferrões, um quinzenário de aproximadamente trinta páginas, circulou no Rio de Janeiro entre junho e outubro de 1875, sendo distribuído também pelo correio a assinantes de diversas cidades brasileiras, inclusive algumas bem distantes da capital. Como sugere o nome da publicação, os dois autores dos folhetos desferiam agudas e muitas vezes incômodas “ferroadas” na sociedade imperial. O jovem José do Patrocínio e seu companheiro Demerval da Fonseca à época iniciavam sua carreira jornalística. Sob os codinomes de Notus Ferrão e Eurus Ferrão, respectivamente, divulgavam textos de tom predominantemente jocoso.

A Revolução Sul-Africana
Autora: Analúcia Danilevicz Pereira | 176 páginas | De R$ 34 por R$ 23,80

O controle exclusivo sobre as riquezas da África do Sul, base do poder político da minoria branca, e o regime do apartheid caracterizam a longa história de desigualdade desse país. A revolução sul-africana foi uma resposta a esse governo de minoria que, apoiado em um sistema de discriminação único e brutal, fundou uma estrutura socioeconômica com alicerces assentados na discriminação racial. Esta obra busca contribuir para o debate sobre esse movimento de libertação que tem suas raízes em condições históricas peculiares e que caracterizaram a contradição entre classe e raça.

As Revoluções Africanas: Angola, Moçambique e Etiópia
Autor: Paulo Fagundes Visentini | 192 páginas | De R$ 34 por R$ 23,80

Diversas revoluções ocorreram nos anos 1970 no Terceiro Mundo. A descolonização tardia dos territórios portugueses no continente africano permitiu que movimentos de libertação abrissem caminho para revoluções nacionais democráticas e até socializantes, de forte impacto internacional. A esses eventos somou-se a derrubada do milenar império etíope, o que ocasionou a implantação de um regime socialista que provocou profundas mudanças sociais naquele país. Diversas outras ex-colônias também viveram experiências semelhantes no mesmo período. Este livro analisa as revoluções africanas mais marcantes dessa época – angolana, moçambicana e etíope –, que, do ponto de vista histórico, fazem parte de uma conjuntura única e possuem características políticas comuns, e examina as árduas lutas decorrentes desses processos revolucionários, os quais tiveram de enfrentar poderosas forças conservadoras, nacionais e estrangeiras, para se manter.

Samba e identidade nacional: Das origens à Era Vargas
Autor: Magno Bissoli Siqueira | 296 páginas | De R$ 74 por R$ 51,80

Samba e identidade nacional investiga as raízes desse gênero musical tornado símbolo de um povo em meio ao projeto varguista de Estado nacional. Magno Bissoli Siqueira intercala referências a historiadores clássicos com análises detalhadas de partituras e gravações para mostrar como o samba, de marginalizado e proibido, transformou-se na música-símbolo do Brasil.

Senhores de poucos escravos
Autor: Ricardo Alexandre Ferreira | 176 páginas | De R$ 49 por R$ 34,30

Este livro realiza a interpretação da criminalidade envolvendo escravos que viveram no município paulista de Franca, de modo a avançar no conhecimento de suas estratégias de sobrevivência e prática, entre 1830 e 1888. As fontes utilizadas são os processos criminais (documentação serial e normatriva da justiça crmininal), as quais privilegiam versões do cotidiano dos cativos, em seus momentos de conflito e nas soluções violentas. Também são examinados os relatórios dos presidentes da província de São Paulo, em que há referências a essas ações.

Teorias da etnicidade – 2ª edição
Autores: Philippe Poutignat e Jocelyne Streiff-Fenart | 256 páginas | De R$ 66 por R$ 46,20

Por meio da análise crítica de diversos autores, especialmente de língua inglesa, Philippe Poutignat e Jocelyne Streiff-Fenart mostram como a problemática sociológica da etnicidade se constitui historicamente. O trabalho de Fredrik Barth, publicado pela primeira vez em 1969, é um marco e uma referência fundamental para os estudos sobre etnicidade. Barth é responsável pelo deslocamento de uma concepção rígida do grupo étnico para uma concepção flexível e dinâmica, para a qual as divisões étnicas devem estabelecer-se e reproduzir-se de modo permanente. Assim, o texto do antropólogo é verdadeiramente inovador neste campo.

Trabalho compulsório e trabalho livre na história do Brasil
Autores: Ida Lewkowicz, Manolo Florentino e Horacio Gutiérrez | Páginas: 144 | De R$ 36 por R$ 25,20

Este livro aborda os padrões do trabalho compulsório, no Brasil colonial e imperial, registrado pela mão de obra indígena e a escravidão de africanos e seus descendentes, acompanhando as mudanças, entre os séculos XIX e XX, para o trabalho livre, a partir da grande imigração estrangeira, em especial para o Sudeste e o Sul do país. Enfoca ainda a historia das mulheres e, por fim, lança um olhar aos pequenos trabalhadores e aos percalços do trabalho infantil, que só recentemente recebeu regulamentação e condenação, mas que continua desafiando as políticas públicas, caracterizando-se como importante problema social na atualidade.

Ventres livres? Gênero, maternidade e legislação
Organizadores: Maria Helena P. T. Machado, Luciana da Cruz Brito, Iamara da Silva Viana e Flávio dos Santos Gomes | 592 páginas | De R$ 89 por R$ 62,30

O objetivo de Ventres livres? Gênero, maternidade e legislação é explorar, pela perspectiva do gênero, da raça e da liberdade, aspectos múltiplos e complexos da escravidão de mulheres no processo de emancipação, tanto no Brasil como em outras sociedades escravistas atlânticas, centrando especialmente nossa problemática em questões vinculadas às violências da escravidão e às resistências apresentadas por essas mulheres.

Assessoria de Imprensa da Fundação Editora da Unesp
imprensa.editora@unesp.br